21 de maio de 2012
Qual o momento ideal para a queda do juro?

Alguns economistas têm afirmado com certa convicção que o Brasil perdeu no final de 2008/início de 2009, no auge da crise dos Estados Unidos, a melhor oportunidade que poderia ter para fazer uma mudança radical na condução da política monetária. Para esse grupo, especialmente identificado com nomes ligados a PUC do Rio, estava ali, naquele momento, a janela de oportunidade que o país teria perdido para nívelar os juros internos aos níveis internacionais, muito mais baixos.

No jornal Valor Econômico de hoje (segunda, dia 21 de junho), Ibrahim Eris, que, além de arguto observador do cenário econômico, foi presidente do Banco Central e é grande conhecedor da economia de pelo menos um outro país considerado emergente, a Turquia, diz que a janela de oportunidade para a queda dos juros é já e agora e que o Banco Central está absolutamente certo em tirar proveito daquela brecha.

Sabe-se que a economia é uma ciência (ups, diriam alguns!!) que, para além dos exercícios econométricos, trabalha com  boa dose de subjetividade. O certo seria imputar aos economistas e não à economia aquele viés que muitas vezes se alimenta de pitadas de ideologia.

Se o melhor momento para baixar os juros surgiu lá atrás e deixou de ser aproveitado, isso jamais saberemos pelo simples fato de não ter sido testado. Se a posição de Ibrahim está certa (em paralelo com a opção claramente adotada pelo Banco Central desde o ano passado e já agora mais aprofundada), isso só poderemos saber mais adiante, depois de alguns meses, quando o efetivamente ocorrido tenderá a apresentar resultados à luz dos desdobramentos do cenário econômico mundial.

Enquanto aquele dia não chega, vale colocar luzes nas declarações de Ibrahim sobre a precariedade do processo (melhor dizer, ausência de processo) usado pelo BC para comunicar-se com a opinião pública. Nem bem as palavras de Ibrahim se consolidavam nas páginas do jornal, o presidente do BC, Alexandre Tombini, prometeu inflação em queda para os próximos meses. É algo um temerário para um presidente de Banco Central falar em situação mundial tão frágil. Condiz mais com o discurso que costumam fazer os políticos ou quem ocupa cargos no Executivo, desde que não seja presidente do BC.

Siga o link para ler a entrevista de Ibrahim Eris na íntegra: http://www.valor.com.br/financas/2667120/bc-tem-espaco-para-testar-niveis-baixos-de-juros-afirma-eris

Os comentários estão fechados.